Categoria 1 - 1 º Lugar - Juliana Xavier Calegaro

Querida Lucy Maud Montgomery,

 

Muito obrigada por criar a série Anne de Green Gables, cujos livros são tão maravilhosos e a protagonista... simplesmente incrível! Amo o jeito de ser da Anne: confiante, alegre e criativa! Me identifico com ela, porque nós duas somos sonhadoras, determinadas e independentes, além de ambas acreditarmos na capacidade das mulheres e meninas e defendermos direitos iguais.

 

Li toda a coleção no ano passado e lembro claramente que quanto mais avançava nas páginas, mais maravilhada ficava com a evolução das personagens, com os desfechos de cada capítulo, com os cenários adoráveis e com cada pessoa nova que aparecia no decorrer da história. Minha mãe, muitas vezes, precisou tirar os livros de mim, porque eu lia o dia inteiro! Era o típico “só mais um pouquinho e depois eu paro”, mas, como sempre acontece com uma boa leitura, nunca conseguia parar na parte que tinha estipulado ser o limite para o dia.

 

Ah! Como ri e chorei com essas obras! Lê-las me fazia (e faz) extremamente feliz. Minhas favoritas são as que descrevem a vida da família Blythe (Anne e a Casa dos Sonhos, Anne de Ingleside, Vale do Arco-Íris e Rilla de Ingleside).

 

Senti compaixão pela Anne quando a pequena Joyce e o Walter faleceram. Nas duas mortes, fiquei bastante chocada, mas a que mais me abalou foi a da menina, por ser a primeira filha do casal. No caso do rapaz, acreditei até o final que ele podia ter sobrevivido, assim como Jem, já que a família não tinha visto o corpo.

 

É realmente uma pena que você não tenha escrito outros volumes após a segunda parte de Os Contos dos Blythes, pois fico imaginando o orgulho nos olhos da Anne e do Gilbert ao presenciarem o casamento do Ken e da Rilla (agora tão crescida) e o nascimento dos netos.

Por fim, parabenizo-a pelo excelente trabalho! Quero que saiba que seus romances marcaram minha adolescência e que sempre estarão no meu coração. Quando eu tiver filhos, passarei os contos para eles e tenho certeza de que também ficarão admirados.

 

Atenciosamente,

 

Juliana Xavier Calegaro